Forest Experience

UMA EXPERIÊNCIA DE SENTIDOS

Era final de tarde, o sol estava se escondendo. O Parque das Aves já havia encerrado suas atividades normais, mas uma nova aventura estava prestes a começar. O relógio marcava sete da noite. Fomos recebidos pela anfitriã do atrativo, que nos encaminhou até um deck, no meio da Mata Atlântica. As poltronas confortáveis eram um convite para sentar e relaxar, ouvindo o som dos pássaros que se aconchegavam em seus ninhos.

Na mesa, estavam duas opções de bebidas: um chá de verbena, que dentre suas propriedades está a de acalmar, e uma caipirinha com erva mate. E para degustar: mandioca frita, sem sal, tal como os índios Guaranis comem. Nossa experiência estava apenas começando. A recepção é um atrativo a parte. Depois das instruções e proteção com repelente, fomos convidados a seguir por uma trilha mata adentro. Não havia mais sinal dos raios de sol. A lua esplendorosa mostrava sua face pelas frestas das copas das árvores. E para iluminar o caminho, pequenas lanternas.

Depois de 200 metros de caminho e muita expectativa, começamos a ouvir o doce som da música indígena. E no final da trilha, após desligarmos as lanternas, avistamos uma fogueira acesa na clareira da mata. Ao redor dela, guaranis cantavam e dançavam, celebrando a nossa visita. Após as saudações, fomos convidados para entrar na roda e participar do ritual de boas-vindas. O exercício nos fazia transpirar e refletir. Depois de algumas voltas, sentamos. O porta-voz da tribo nos pediu para nos acomodarmos em esteiras de palha que estavam no chão ou em pequenos troncos de árvore. Explicou-nos sobre os costumes indígenas e o que significava aquele ritual. Enquanto isso, o jantar, feito no fogo de chão, era finalizado. O pratinho de madeira veio forrado com uma folha de bananeira, e sobre ela, batata doce, peixe, milho e beiju. Para beber tinha água gelada e um delicioso suco natural de abacaxi. Ao finalizar o prato salgado, foi servida a sobremesa: uma espécie de panqueca com favo de mel. E quase no final da experiência fomos convidados, novamente, para uma dança, ao som de instrumentos de corda e percussão. Recebemos os cumprimentos de todos os representantes da aldeia Jacy Porã e saímos, em fila, para o início da trilha de volta.

No silêncio do final do passeio, depois de ter vivenciado a energia dos índios e da mata, a sensação é de imersão. Parecia que estávamos perdidos na floresta e havíamos encontrado abrigo em alguma comunidade. A lua já estava alta. Os pássaros silenciosos dormiam nos galhos. As plantas eram as mesmas. Mas a nossa percepção de mundo e de sentidos, era completamente diferente. A experiência na floresta, sem dúvida, foi inesquecível.

Quer fazer esse passeio?

Idiomas: português e inglês
Dias: segundas e quintas
Duração: aproximadamente 2h30
Horário: 18h30

Mais informações: www.parquedasaves.com.br/xp/pacote/forest-experience